A COMPREENSÃO COMO MÉTODO: SUAS TEORIAS E PRÁTICAS

Docente responsável (Brasil)

Prof. Dr. Dimas A. Künsch

Instituição

Faculdade Cásper Líbero

Programa de Pós-Graduação em Comunicação

Docente responsável (Colômbia)

Prof. Dr. Raúl Hernando Osorio Vargas

Instituição

Facultad de Comunicaciones

Universidad de Antioquia – Medellín

Descrição

Vinculado aos grupos de pesquisa Comunicação, Diálogo e Compreensão, do CNPq, no Brasil, e Grupo de Estudos Literários (GEL), da Colciencias, da Colômbia, A COMPREENSÃO COMO MÉTODO: SUAS TEORIAS E SUAS PRÁTICS constitui um projeto interinstitucional, desenvolvido pela Cásper Líbero e pela Facultad de Comunicaciones, da Universidade de Antioquia, Medellín, Colômbia, no âmbito do convênio de cooperação assinado entre as duas instituições em 2014. Pesquisadores dos dois países (e de outros países que possam se agregar) se articulam de diferentes modos para o estudo, a reflexão, a pesquisa e a produção científica, orientados a favorecer o mais completo entendimento possível das bases filosóficas, científicas, epistemológicas, humanas e metodológicas do tema da compreensão.

O projeto, como se depreende de seu próprio título, possui tanto uma aproximação de natureza teórica quanto prática. Assim, ao esforço teórico de aprofundamento da conversa com distintos autores, vertentes teóricas, modelos interpretativos, grupos e projetos de pesquisa, noções e percepções aptos a promover o entendimento da compreensão, somam-se as buscas pelos diferentes significados, propostas e virtualidades da compreensão como método no interior de distintas investigações, levadas a cabo pelos participantes do projeto tanto no Brasil quanto na Colômbia.

Opera-se com a ideia de que os dois tipos – diferentes, mas complementares – de aproximação devem contribuir para a compreensão da compreensão e para a fertilização da investigação teórica e empírica, além das práticas sociais em que essas ideias de compreensão possam se ancorar. O projeto, que deve durar 36 meses (Jan. 2015 / Dez. 2017), em seu conjunto, prevê ações desenvolvidas em cada um dos países e momentos de atuação conjunta, num intercâmbio constante por intermédio de seminários, produção científica, viagens etc., além de um evento internacional de encerramento, o “I Encontro Internacional de Estudos e Práticas de Compreensão”, previsto para março de 2018.

Objetivos

objetivo geral é o de mapear, estudar, dialogar com e compreender algumas das mais importantes elaborações da ideia ou noção de “compreensão” nos campos das ciências, da filosofia, das artes e da literatura, da epistemologia e outros, bem como de suas ideias correlatas, tal como se apresentam na obra de pensadores que, por suas escolhas teórico-metodológicas, vinculam-se a uma perspectiva de abertura para a alteridade, entendida aqui não apenas como um outro sujeito, mas também como outras formas de pensar, de investigar, de narrar e de compreender o mundo. A esse objetivo, de natureza mais teórica, junta-se a busca por compreender a compreensão, de forma aplicada, em distintos projetos específicos de investigação dos participantes do projeto.

Como objetivos específicos podem ser mencionados os seguintes:

(1) Contribuir para a elaboração de um conjunto de sugestões teórico-metodológicas que possam auxiliar na produção científica e no estudo de textos, imagens, produtos e processos midiáticos sob uma ótica compreensiva, dialógica, de escuta e reconhecimento do Outro, de produção social, interdisciplinar e inter-saberes de conhecimentos, que, sendo compreensivos, estejam por isso mesmo mais afetos à ideia de cidadania, de democracia e de paz.

(2) Identificar, valorizar e sublinhar a participação latino-americana nesses esforços, em diálogo com autores e teorias de outras partes do mundo.

(3) Consolidar e ampliar as possibilidades do convênio de cooperação acadêmica celebrado entre as duas instituições de ensino e pesquisa, a Faculdade Cásper Líbero e a Universidad de Antioquia, em uma relação de tipo Sul-Sul, com o olhar aberto para as oportunidades de ampliação desses diálogos, de modo a abranger outros países latino-americanos.

(4) Integrar no contexto de um pensamento compreensivo as teorias e práticas de natureza inter- e transdisciplinar.

(5) Destacar a relevância da Comunicação em todas essas buscas compreensivas, sobretudo em processos de mediação de conflitos, como ferramenta adequada ao cultivo da não-violência, do reconhecimento e do respeito ao Outro, da cidadania, da democracia e da paz.

Referencial teórico

A parte brasileira do projeto, em sua busca por diálogo com as teorias que elaboram, explicitam e propõem a ideia de compreensão, selecionou como objeto autores que, seja no campo primordialmente epistemológico (Weber, Dilthey, Morin, Maffesolli, Jung, Feyerabend e outros), seja no campo ético e político (Buber, Levinas, Bohm, Said, Hannah Arendt e outros) como da estética e da narrrativa (Schleiermacher, Nietzsche, Ricoeur, Cassirer, Langer e outros) contribuem para a formulação de uma noção de compreensão. A parte empírica, relativa aos trabalhos de investigação, em que comparecem tanto o desejo de compreensão da compreensão quanto o de sua aplicação como método, integra uma lista de projetos, de caráter aberto, levados em frente pelo conjunto de participantes do projeto A compreensão como método.

A parte colombiana do projeto faz convergir os diferentes interesses acadêmicos dos pesquisadores em torno a três perguntas atuais e que necessitam de reflexões e delineamentos contínuos: a Alteridade, a Globalização e o Diálogo Transatlântico. O projeto colombiano pesquisa as convergências ou divergências culturais, humanísticas, sociais, linguísticas e literárias que o fenômeno da globalização traz consigo, em estreita relação com as categorias da alteridade e os diálogos transatlânticos. A alteridade alude ao descobrimento que o Eu faz do Outro e, especialmente, a experiência psico-antropológica de colocar-se no lugar do Outro. Tanto o eu como o Outro situam-se, aqui, nas dimensões transatlânticas entre a Europa e as Américas.

Metodologias

A parte teórica do projeto consiste basicamente numa leitura em profundidade da vida e da obra de um conjunto de autores, buscando, compreensivamente, entender como o tema da compreensão emerge a partir das preocupações de cada um deles. O fato de esses autores estarem ligados a áreas do saber diferentes é, em si, uma variável importante: o diálogo dos saberes é uma das buscas de uma Teoria Compreensiva da Comunicação. É no mapeamento inicial dessas produções, no sentido de encontrar não uma, mas várias noções dialógicas de compreensão, que se estrutura esta pesquisa. A investigação, nesse instante específico, é teórica, mas não especulativa: o recorte não busca o fechamento de uma única definição – o que seria por si só incompatível com a perspectiva teórica adotada –, mas a formulação de uma perspectiva aberta, fundada no encontro de noções/definições que, em suas peculiaridades, podem ser colocadas em diálogo conforme suas possibilidades hermenêuticas, éticas e epistemológicas.

A metodologia, na parte empírica do projeto, pode-se igualmente denominar compreensiva, uma vez que respeita e assume os distintos encaminhamentos dados à questão por parte dos diferentes pesquisadores que integram o projeto, em suas investigações particulares. Aqui, a pergunta norteadora é como compreender e aplicar a compreensão como método nas práticas cotidianas dos pesquisadores. Entende-se, neste particular, que vários dos autores, apontados como de interesse para o estudo da compreensão, sirvam, de forma privilegiada, como referenciais teóricos para os projetos de natureza individual.

Outras metodologias, que juntam as duas preocupações, incluem rodas de conversas (com convites a integrantes e a não-integrantes do projeto a debater temas específicos de estudo), seminários, colóquios, produção de artigos e de livros, apresentação de trabalhos em congressos científicos, criação de página no Facebook e de blog, divulgação pelas redes sociais, videos etc. Parte integrante da metodologia de estudo e de produção de conhecimentos consiste na realização periódica de Encontros Gastrosóficos, unindo saber e sabor na experiência de cozinhar e de comer juntos, cultivando uma iniciativa que vem dos tempos do projeto de pesquisa anterior (2010-2014), no Brasil, denominado “Conversando a gente se entende”.

Referências principais (Brasil)

BOHM, D. Do diálogo. São Paulo: Cultrix, 2009.

BUBER, M. Eu e tu. Rio de Janeiro: Centauro, 2003.

CASSIRER, E. Ensaio sobre o homem. São Paulo: Martins Fontes, 2009.

DILTHEY, W. Sistema da ética. São Paulo: Unesp, 2012.

GADAMER, H.G. Verdade e método: traços fundamentais de uma hermenêutica filosófica. 2ª. edição. Petrópolis: Vozes, 1998.

JUNG, C. G. Os arquétipos e o inconsciente coletivo. Petrópolis: Vozes, 2001.

KUNSCH, D. A. Teoria compreensiva da comunicação. In: KUNSCH, Dimas A. e BARROS, Laan Mendes de. Comunicação: saber, arte ou ciência? São Paulo: Plêiade, 2008, p. 173-195.

KUNSCH, Dimas A. e MARTINO, Luís Mauro Sá (Orgs.). Comunicação, jornalismo e compreensão. São Paulo: Plêiade, 2010.

KUNSCH, Dimas A.; AZEVEDO, Guilherme; BRITO, Pedro Debs e MANSI, Viviane R. (Orgs.). Comunicação, diálogo e compreensão. São Paulo: Plêiade, 2014.

LANGER, S. K. Filosofia em nova chave. São Paulo: Perspectiva, 2007.

LANGER, S. K. Sentimento e forma. São Paulo: Perspectiva, 2004.

LEVINAS, E. Totalidade e infinito. Lisboa: Ed. 70, 2014.

MAFFESOLI, M. A cultura comum. Porto Alegre: Sulina, 2011.

MARTINO, L.M.S. A compreensão como método. In: KÜNSCH, D.A., AZEVEDO, G., BRITO, P. D. e MANSI, V. Compreensão, diálogo e comunicação. São Paulo: Plêiade, 2014.

KÜNSCH, D.A. e MARTINO, L.M.S. Comunicação, jornalismo e compreensão. São Paulo: Plêiade, 2010.

MORIN, E. O método, vol. 6: Ética. Porto Alegre: Sulina, 2005.

NIETZSCHE, F. A gaia ciência. São Paulo: Companhia das Letras, 2003.

RICOEUR, P. O si mesmo como outro. São Paulo: Martins Fontes, 2014.

SAID, E. Orientalismo. São Paulo: Companhia das Letras, 2000.

SCHLEIERMACHER, F. Hermenêutica: arte e técnica da interpretação. 5. ed. Bragança Paulista: Editora Universitária São Francisco, 2006.

WEBER, M. Economia e sociedade. Brasília: Ed. UnB, 1991.

Referências Principais (Colômbia)

BALDERSTON, D., GUY, D. Sexo y sexualidades en América LatinaBuenos Aires: Paidós, 1998.

BAUDRILLARD, J. Cultura y simulacro. Barcelona: Editorial Kairós, 1978.

BERMAN, M. All that is solid melts into air: the experience of Modernity. New York: Penguin, 1982.

BLOCH, E. (1976). Das Prinzip Hoffnung. Dritte Auflage. Frankfurt am Main: Suhrkamp, Taschenbuch Wissenschaft 3, 1976.

BOURDIEU,P. Meditaciones pascalianas. Barcelona: Anagrama, 1999.

CANCLINI, N.G. Culturas híbridas: estrategias para entrar y salir de la modernidad. Buenos Aires: Paidós, 2008.

FUENTES, C. Valiente mundo nuevo: épica, utopía y mito en la novela hispanoamericana. México: Fondo de Cultura Económica, 1992.

GNECCO, C. Discursos sobre el otro. Pasos hacia una arqueología de la alteridad étnica. Disponible em: <www.icesi.edu.co/revista_cs/images/ stories/revistaCS2/articulos/05-cristobal.pdf>. Consultada el 30 Ene. 13.

NÜNNING, A. Metzler Lexikon. Literatur- und Kulturtheorie. Stuttgart-Weimar: Verlag J.B. Metzler, 2008.

ORTIZ FERNÁNDEZ, F. Contrapunteo cubano del tabaco y el azúcar. La Habana: Jesús Montero Editor, 2009. Con prólogo de Bronisław Malinowski.

PALAVERSICH, D. De Maconco a McOndo, senderos de la postmodernidad latinoamericana. México: Plaza y Valdez Editores, 2005.

PULIDO TIRADO, G. Caleidoscopio de teorías. El giro culturalista de los estudios literarios latinoamericanos, Vigo: Editorial Academia del Hispanismo, 2009.

REYES, A. Notas sobre la inteligencia americana. En: REYES, A. Última Tule, Obras Completas, Tomo XI, pp. 82-90. México: FCE, 1997.

SAÏD, Edward W. Orientalism. Vintage Books Edition, USA, 1979.

SPIVAK, G.C. Can the subaltern speak? Colonial Discourse and Post-Colonial Theory. A readerHertfordshire: Harvester Wheatsheaf, 1994.

TODOROV, T. La conquista de América. El problema del otro.Buenos Aires: Siglo XXI editores, 1982.

TROUILLOT, M.R.. Silencing the past. Power and the production of historyCOMUBoston: Beacon Press, 1995.

 

VOLTAR: Projetos de Pesquisa